Arquivo da tag: fortaleza

Ser Fortalezense

Não é só sobre ter uma certidão de nascimento em cartório.

É sobre acolher forasteiros e fazê-los sentir como se em casa estivessem.

É absorver a cultura interiorana de pais e avós, e construir a sua própria.

É sobre a habilidade de profissionalizar o humor, desafiando adversidades.

É definir o seu próprio sotaque a partir da mistura de vários.

É desejar 365 dias ensolarados por ano, mesmo reconhecendo a necessidade de uma boa chuva.

É sobre saber transformar o martírio de revolucionários em Passeio da esperança para as novas gerações.

É preferir morar junto ao mar, contrariando a ideologia rural do “quanto mais longe do litoral, melhor”.

É sobre evocar o feminismo das heroínas emblemáticas de Rachel de Queiroz.

É agir de forma possessiva, quase infantil, apontando os defeitos sem permitir que estranhos o imitem.

É sobre ter a honra de partilhar com José de Alencar o berço natal, a primeira luz.

É apoderar-se de valiosos equipamentos culturais, de teatros a praças, como se privados fossem.

É sobre alimentar o espírito com a irreverência dos jovens padeiros literários.

É rejeitar o descaso com a tragédia da seca, por atrair a fome, o fanatismo religioso e a reinvenção do cangaço.

É sobre indignar-se com demonstrações de baixa afetividade de migrantes e imigrantes.

É sobre sonhar com igualdade social, do Bom Jardim ao Meireles, porque ninguém sobrevive sem uma utopia.

É tecer loas a outras cidades e manter a sua no topo das maravilhosas.

É sobre celebrar 291 anos com orgulho, confiança e luta.

É respeitar os símbolos da ancestralidade negra e índia.

É reescrever a História com caligrafia holandesa, portuguesa, universal, ou ainda brasileira e mesmo cearense de outras plagas.

É ser, sobretudo, um forte, força, fortificação, Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção.


Ameaças a recém-nascidas

Viva! Nós, fortalezenses, estamos a um passo de entrar para a história.

Nossa cidade é a única do mundo civilizado contemporâneo cujos moradores de determinada área dita ‘nobre’ ameaçam com argumentos toscos e nada cidadãos fazer um abaixo-assinado para acabar com as tímidas ciclofaixas recém-desenhadas em duas de suas vias.

Duas? Exatamente, caro leitor! Duas ruas por onde trafegavam exclusivamente caros – e poluidores – automóveis importados. Inclusive o meu.

Gosto de comparar coisas que, à primeira leitura, podem soar incompatíveis.

Fortaleza tem mais de 2,5 milhões de habitantes (estimativa IBGE/2013) e área de 314,9 km². Paris tem trezentos mil moradores a menos e superfície três vezes menor. “Então, Fortaleza tem mais ciclofaixas que Paris!”, alguém pode palpitar. Errado! Deveria, mas infelizmente está longe de ser assim.

Tenho até vergonha de registrar isso, mas – pasmem! – Fortaleza tinha até um mês atrás apenas dois quilômetros (agora são seis) de ciclofaixas, contra trezentos de Paris. Eu falei tre-zen-tos quilômetros!

Tudo começou quando, no primeiro domingo de agosto passado (4), alguns ativistas do movimento ‘Massa Crítica’ pintaram uma ciclofaixa temporária ao longo da minha rua. “Finalmente alguém despertou para o problema do excesso de carros que gera engarrafamentos insuportáveis em horários de pico!”, comemorei. A pauta dominou várias esferas e, trinta dias depois, a Prefeitura providenciou ciclofaixas definitivas.

A iniciativa, embora rasteira, tem o meu total apoio. Mas parece que sou minoria. Ao contrário do que eu esperava, a ação desencadeou uma enxurrada de protestos de moradores que se sentem incomodados ou lesados.

Comentários nas redes eletrônicas refletem tudo, menos cidadania ou senso de coletividade. “Não podemos mais estacionar os carros em frente de nossas casas”; “As ruas já eram muito estreitas, agora então”; “A quem interessam essas ciclovias (sic), porque, ciclista que é bom, nunca vi um passando por elas”.

Aqui e acolá, um depoimento mais sensato. “Acredito que após a ciclovia (sic) se tornar plena, os cearenses vão começar a utilizá-la. Vai demorar um pouco para os donos de carros grandes entenderem isso. Temos que começar a pensar que a rua não foi feita somente para carros particulares.”

Eu mesma contribuí para a discussão, mas sob outro viés, pois minha preocupação consiste em me expor aos assaltos da região e ficar sem meus pertences ou mesmo a vida. “Vou providenciar várias sucatas para poder usar as ciclofaixas de Fortal: bike, celular, bolsa fake de grife e por aí vai…”, escrevi fazendo graça no perfil de um amigo em uma rede social.

O debate é saudável e útil. Sei que ainda precisa de muito, que é necessário interligar as vias e dar segurança aos ciclistas para que não sejam vítimas de motoristas deseducados ou de frios assaltantes. Mas precisamos apoiar as ciclofaixas. Alguém tinha que começar. As evoluídas cidades do ‘primeiro mundo’ não ficaram prontas da noite para o dia.

Restam aos nossos principais gestores públicos municipais dar o melhor exemplo. Que tal imitarem a colega francesa Anne Hidalgo? A vice-prefeita de Paris – e candidata ao cargo de prefeita nas próximas eleições (março de 2014) – vai trabalhar diariamente de bicicleta.

Há tantas maneiras de demonstrar evolução social, não é mesmo? Vamos aproveitar, conterrâneos, para um dia podermos urrar “Vivas!” à nossa Fortaleza querida e lotadinha de ciclistas. Moi, inclusive.

Em tempo: Segundo especialistas, as ciclofaixas (ao contrário das ciclovias) são a opção mais rápida e barata, por usar basicamente tinta e tachas para separar os espaços em ruas já existentes e que serão compartilhados daí em diante.

●●●●●●●●●

Para entender melhor:
Ciclovias: ruas apenas para bicicletas, onde carros não entram
Ciclofaixas : faixas demarcadas no chão, exclusivas para ciclistas

●●●●●●●●●

Fontes:
IBGE
INSEE
UOL NOTÍCIAS


O julgamento de Fortaleza (*)

Degustação às cegas derruba preconceitos

drink2

Imagine um inglês que entenda de vinhos tanto quanto um francês. O.k., d’accord, pode parecer um pouco too much, admito. Vou refazer a frase. Era uma vez um inglês que queria provar ao mundo que fazer bons vinhos não é expertise exclusiva dos franceses.

Uma ou outra opção, trata-se de conflito milenar em que brasileiro ajuizado deve manter o saca-rolha bem guardado no bolso. Mas para que as novas gerações possam tirar suas próprias conclusões a respeito da tão decantada rivalidade entre ilha e continente, narro a seguir um fato ocorrido há quase quatro décadas, com desdobramentos para todo o sempre.

Um cara chamado Steven Spurrier, respeitado crítico inglês e editor de revista especializada em vinhos, ofereceu os pescocinhos sofisticados dos franceses à guilhotina implacável do poderoso ‘Tio Sam’, em episódio que ficou conhecido como “O Julgamento de Paris”. Tenebroso assim.

pingos01

Pois bem, o tal súdito da rainha Elizabeth II liderou na Paris dos anos 1970 uma degustação de vinhos às cegas, aquela em que não aparecem os rótulos concorrentes e todos os juízes – profundos conhecedores da bebida dos deuses – vão provando taça a taça sem nem desconfiar a procedência dos ditos cujos.

Teste cego é o terror de fabricantes e produtores já consagrados, mas não praticá-lo é, no mínimo, antidemocrático. Induzir gostos e opiniões é manobra diabólica que se deve evitar a qualquer custo. Funciona com quase tudo, senão vejamos.

Você está em uma loja chique de departamentos e se depara com duas araras de roupas. Na primeira, a placa Dolce&Gabbana não deixa dúvida quanto ao design e beleza – e preço – das peças. Na outra, está sinalizada um desconhecido qualquer. Qual das duas lhe atrai mais? Qual você levaria para casa? Aposto meu closet recém-reformado que a grande maioria sairia com um D&G na sacola, mesmo que o anônimo fosse tão talentoso quanto, além de menos caro. Agora, experimente retirar os nomes dos estilistas das araras e etiquetas. O resultado poderia sacudir meio circuito fashion, de it-girls a blogueiras antenadas.

pingos02

A degustação às cegas, portanto, corrige algumas, digamos assim, ‘injustiças’. No desafio de Paris, o tal Spurrier conseguiu demonstrar que é possível aos países jovens fabricarem vinhos tão bons ou melhores que os da velha e competente França. Foi assim que os vinhos da Califórnia desbancaram os melhores Bordeaux tintos e os renomados Bourgogne brancos. Surpreso? Segure seus ‘ohs!’ mais alguns minutinhos.

Fenômeno semelhante ao de Paris repetiu-se em 11 de abril deste ano, em Fortaleza. A bebida? Cachaça, claro, reconhecida exatamente naquela data como produto genuinamente brasileiro, graças a acordo comercial bilateral entre Brasil e Estados Unidos.

Vinte e oito jurados, entre jornalistas, donos de restaurantes, chefes de cozinha, blogueiros e apreciadores em geral do destilado nacional de cana-de-açúcar, participaram do teste de Fortaleza batizado de “Desafio Top Mundial da Cachaça”. Eles obedeceram à escala de Zero a 10, determinada pelo ‘cachacier’ (degustador de cachaça) paulista Maurício Maia, um dos maiores especialistas da bebida no Brasil.

Como em Paris, o resultado de Fortaleza também foi surpreendente. Saiu vencedora a então desconhecida Cedro do Líbano, fabricada no Ceará, tendo disputado com quatro das melhores cachaças artesanais de alambique do país, todas integrantes de respeitáveis rankings nacionais e provenientes de tradicionais polos produtores, a exemplo de Salinas, no norte de Minas Gerais.

pingos03

“Sabíamos que o Ceará tinha condições de produzir cachaça artesanal de alambique tão boa quanto as melhores do Brasil”, disse o feliz vencedor Rodrigo Bitar ao Agrovalor à época. “Passamos anos estudando, testando e finalizando um produto que, embora soubéssemos ser de excelente qualidade, continuava pouco conhecido fora da região. Decidimos, então, arriscar todas as nossas fichas no ‘Desafio’. Não esperávamos ganhar, mas vencemos não só o concurso, como também o preconceito”, continua o obstinado fabricante cearense, braço direito do pai (empresário Antônio José Bitar) nessa empreitada, que conseguiu provar que know-how não é exclusividade de alguns. Bitar enfatiza que o reconhecimento nacional à cachaça cearense “deve abrir caminho e gerar oportunidade para novos produtores”.

Os dois eventos históricos confirmam que com tecnologia responsável, trabalho sério e investimento é possível obter excelentes produtos, respeitando-se obviamente a diversidade e vocação natural das regiões.

Quando alguém levantar questionamentos sobre a qualidade do produto X ou Y com argumentos simplistas, como a falta de tradição daquela região ou país de fabricação, está mais do que na hora de mandar baixar a poeira do preconceito e propor um brinde a passo igual: Saúde! Cheers! Santé! Halina! Pai d’égua! Bom demais da conta, !

●●●●●●●●●●●●●●●●

Desafio Top Mundial da Cachaça / Fortaleza (CE) / Ranking 2013:
1º lugar: Cedro do Líbano (S. Gonçalo do Amarante/CE) – 2.231 pontos
2º lugar: Vale Verde (Betim/MG) – 1.976 pontos
3º lugar: Anísio Santiago/Havana (Salinas/MG) – 1.874 pontos
4º lugar: Claudionor (Januária/MG) – 1.751 pontos
5º lugar: Serra Limpa (Duas Estradas/PB) – 1.637 pontos
Fonte: http://www.cachacacedrodolibano.com.br

●●●●●●●●●●●●●●●●

(*) Artigo de Celma Prata, originalmente publicado na Ed. 92 (outubro/2013), do jornal AgroValor
Ilustrações: Lincoln Souza


Vamos retomar nossas calçadas? (*)

Apesar da excelência do transporte coletivo, prefiro percorrer a pé curtas distâncias, salvo quando estou atrasada. Então, através de calçadas largas e planas, alcanço a parada mais próxima e entro no ônibus climatizado e pontual, que me deixa a poucos passos do destino. Na bolsa de grife, carrego maquiagem importada, celular, documentos, dinheiro e cartões de crédito. A tiracolo, o laptop. Relógio de marca no pulso. Joias arrematam o visual.

A cena acima poderia ser real, mas infelizmente não acontece em Fortaleza e em nenhuma das capitais brasileiras. A sensação de insegurança, o descrédito nas autoridades e as estatísticas não permitem. Sem pretensões de traçar um panorama da escalada da violência em minha cidade, revisito minhas memórias a partir dos bairros em que morei para tentar entender o fenômeno e sugerir algo.

Monte Castelo. Anos 1960. Crianças brincam defronte de suas casas; Mães observam das cadeiras na calçada, enquanto trocam receitas e fofocas. “Sabem a última da ‘minha’ Maria? Se aprontou toda pra dar ‘boa noite’ pro Cid Moreira!”, divertem-se com a ingenuidade das meninas recém-chegadas do interior para trabalhar como domésticas na ‘cidade grande’. Caminhar em paz por ruas e calçadas, usar transporte público, era parte da rotina de qualquer morador.

Meireles. Final dos 1970. Recém-casada e a tranquilidade ainda pontuava o cotidiano da cidade, mas não por muito tempo. Quatro anos depois, e um arrombamento nos fez desistir do lugar. Fiquei sem as joias de família. O inimigo conhecia nossos hábitos. Livramo-nos do confronto, mas não da incômoda sensação de ter nosso cantinho invadido.

Praia do Futuro. Início dos 1980. Ainda sem filhos, chegamos ao paraíso que não conseguiu honrar as promessas. Construções subiam velozmente até serem implodidas pela antipropaganda “A segunda maior maresia do planeta”. Nem estudiosos, nem o senso comum, conseguem explicar o abandono da grande faixa litorânea numa capital que se promove por seus verdes mares, brisa permanente e sol o ano inteiro. O poder público se ausentou, abandonando os teimosos sobreviventes à própria sorte. Um assalto − com disparos − na calçada de casa acelerou nossa despedida.

Meireles novamente. Desde 1999. Voltar a habitar − dessa vez com dois filhos adolescentes − a área ‘mais nobre da cidade’ não é garantia de qualidade de vida. Os moradores não usam os passeios. Ninguém quer se arriscar a ficar sem o i-phone, o i-pad e todos os i-tudo que batizam as novas, caras e ‘indispensáveis’ tecnologias. Os entendidos afirmam que é preciso combater a raiz do problema, eliminando tráfico e corrupção. Do contrário, não vai ser um policial amigo em cada esquina ou patrulhas pacificadoras rondando o quarteirão que resolverá a questão. Muito menos, blindar portarias e carros ou contratar seguranças armados.

Como conquistar, então, uma rotina semelhante à das capitais europeias, norte-americanas e algumas latino-americanas? A resposta de especialistas é velha conhecida nossa: investindo em segurança, mobilidade, transporte coletivo, educação no trânsito… Ou seja, um longo processo. E para já?

Para começar, sugiro aos usuários de automóveis, em lista encabeçada pelo prefeito e vice, utilizar o transporte público ou bicicleta − ou as próprias pernas − para trajetos urbanos (o prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg, vai trabalhar de metrô, enquanto a vice de Paris, Anne Hidalgo, prefere a bicicleta. Em tempo: Bloomberg é a 10ª fortuna dos EUA).

Ao resgatarmos nossa cidadania, poderemos, de forma simbólica, tatuar nossos ideais nas calçadas, esquinas e praças. Quem sabe, em breve, a cena que abre esta narrativa entre para o dia a dia dos fortalezenses? Nós merecemos.

(*) Artigo de Celma Prata, publicado originalmente na Revista Siará, do jornal Diário do Nordeste, em 07/abril/2013


prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Isabelle Leal

Jornalista que flerta com o mundo da moda desde criança, voltou ao mundo dos blogs para saciar a vontade de escrever sobre os temas que mais gosta de ler e pesquisar sobre. Cresceu assitindo ao programa "Fashion File" com Tim Blanks, assina uma coluna de moda semanal no jornal cearense O Povo há mais de três anos e neste espaço vai dividir um pouco de seus guilty pleasures.

Mariel Fernandes

A vista do meu ponto e outros pontos de vista

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias