Arquivo da categoria: Uncategorized

Feira ao sul do Tejo

Um dos principais eventos agropecuários de Portugal atrai negócios que movimentam a economia da rica região do Alentejo

(Enviada especial a Estremoz, Portugal)


(Foto 1)

Uma canção romântica embalava os visitantes que chegavam para o terceiro dia da Fiape 2017, na cidade de Estremoz, sudeste de Portugal.

Apuro o ouvido, algo me soa familiar: o sotaque do cantor. “Meu ar, meu chão é você. Mesmo quando fecho os olhos, posso te ver…”. O que leva uma feira rural, ao sul do Tejo, a incluir brasileiros na playlist? Arrisco perguntar a uma local se, por acaso, saberia quem estava cantando. A rapariga me olha com ar de espanto, balançando negativamente a cabeça. Ora, se você, que é brasileira, não sabe, que direi eu!, seu semblante parecia falar.

Utilizo o potente wifi do parque de exposições e faço um google com os versos da tal balada. Milhares de resultados expõem “Sem ar”, do cantor carioca D’Black, considerado um dos fenômenos de 2008 na internet, por ter alcançado rapidamente mais de quarenta milhões de audições, segundo a gravadora do artista.

Chega de digressões. Hora de trabalhar. Este é o terceiro ano em que a equipe do AgroValor visita a Fiape – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz, apontada como uma das mais importantes iniciativas do setor, realizada de 27 de abril a 1º de maio.

Em sua 31ª edição, a Fiape apresenta números que impressionam. Conforme seus organizadores, mais de 60 mil visitantes convergiram ao Parque de Feiras e Exposições Engenheiro André de Brito Tavares, nos cinco dias do evento, para conferir os 450 expositores, nas áreas de pecuária, maquinário agrícola, comércio e indústria, artesanato, produtos regionais e comercialização de automóveis. Uma vasta programação cultural oferecia ainda palestras e espetáculos musicais.

Um dos certames nacionais da pecuária mais aguardados era o de ovinos Île-de-France, que teve início às 10h30, do dia 29 (sábado). José Romão (da Romão & Folque), criador e diretor técnico da raça, destacou a importância do concurso para o aperfeiçoamento da genética e reconheceu a evolução da feira nos últimos anos. “A Fiape melhorou muito depois que veio para este recinto”, anuncia Romão, referindo-se à excelente estrutura do parque de exposições de Estremoz. O especialista adianta ao AgroValor que confirmou convite para participar da Expointer, em Esteio (RS), em agosto próximo.


(FOTO 2)

Visitantes de várias regiões de Portugal, além de outros provenientes da Espanha e Brasil, vieram apreciar os rebanhos, o artesanato, os vinhos, o azeite e a gastronomia. Um grupo de turistas brasileiros, que visitava Estremoz pela primeira vez, aproveitou para conhecer a feira. Ficaram surpresos com o vigor do evento realizado em uma cidade pequena para os padrões brasileiros, com população inferior a 15 mil habitantes, mas com forte potencial de negócios. Izabel e Osler Machado, empresários de Fortaleza, provaram os deliciosos enchidos, o presunto Pata Negra, os pães, os vinhos, a enorme variedade de frutos secos do Alentejo e só tinham elogios. “Achei bastante interessante, pois dá oportunidade também aos pequenos produtores; muito organizado; o segmento de ovinos é muito rico. Tive a chance de conhecer um Agronegócio desenvolvido por outro país”, afirma Machado.

(FOTO 3)

O empresário brasileiro Antônio Bitar, da Fazenda Libanus, em Paracuru, Ceará, produtora de ovinos, cachaças artesanais e ovos de galinha caipira, frequenta a Fiape desde 2007. “Cresceu muito em estrutura, desde a primeira vez em que aqui estive, há dez anos. A manutenção da qualidade dos produtos é outro fator a destacar”, atesta Bitar, com satisfação, sobre a evolução do evento.

(FOTO 4)

Realizada paralelamente à Fiape, a 35ª Feira de Artesanato de Estremoz reafirmou sua potencialidade, com 120 expositores nos mais variados estilos e materiais. Isabel e José Diamantino – ele, de tradicional família no ramo da ouriversaria –, consideram o evento um dos mais organizados do país, com bom número de visitantes e igual nível de vendas. Essa é a terceira vez que o casal expõe no Alentejo. “Somos ricos de autoestrada, temos prazer em conhecer as terras e a gastronomia de outras regiões”, declara Diamantino, que viajou de carro com a mulher por três horas, desde Gondomar – no distrito de Porto, norte do país, trazendo belas peças para apresentar na feira.

(FOTO 5)

As inesperadas baixas temperaturas para a época, cerca de 11º C, com algumas pancadas de chuva e ventanias, surpreenderam alguns expositores. A principal queixa referia-se às condições desfavoráveis de tempo para os setores cujos estandes fixaram-se ao ar-livre.“Participamos desta feira há doze anos. Neste ano, o clima não ajudou, vamos esperar que melhore até amanhã [domingo]”, lamentava Maria João, funcionária da Carola & Borralho, produtora de artigos em pele de ovelha, como calçados, vestuário, acessórios e decoração, situada em Monforte, no Alto Alentejo.


(FOTO 6)

Além de mostras e atividades diurnas, os shows musicais da Fiape movimentaram as noites da pequenina Estremoz, que teve sua população multiplicada no final de semana prolongado, devido ao feriado do Dia do Trabalhador (1º de maio) ter caído em uma segunda-feira. Bandas, cantores e DJ’s dividiram os palcos, com ritmos que iam do pop rock a hip hop e rap, além de música eletrônica, grupos folclóricos e, claro, o belo fado.

Cruzo novamente com o grupo de turistas brasileiros. Estavam de saída para a Quinta Monte da Azinheira, na vizinha Arcos, onde almoçariam com a família Cabaço, fabricante dos estrelados vinhos Monte dos Cabaços. Seriam recebidos por Margarida e Joaquim Cabaço, ela a chef do tradicional Restaurante São Rosas, que funcionou até dezembro último no interior das muralhas do centro histórico, ao lado da Pousada Castelo de Estremoz. Pelo grau de ansiedade do grupo, podia-se antever o banquete alentejano harmonizado com vinhos Monte dos Cabaços que deve ter se estendido até a noite.

Recomeçam as divagações. Difícil concentrar-se nesse ambiente de cheiros e sabores inigualáveis. Hora de provar as delícias do Alentejo. Quem já saboreou uma Bochecha de Porco Preto assada ao forno com migas de brócolis, acompanhado de uma taça de Margarida Alicante Bouschet 2010, pode me entender perfeitamente.

Serviço

31ª Fiape e 35ª Feira de Artesanato

Anualmente, no final de abril (Em 2017: 27 abril a 1 de maio)

Parque de Feiras e Exposições Eng. André de Brito Tavares

Estremoz – Portugal

Organizadas pela Câmara Municipal de Estremoz, em parceria com a Acore – Associação de Criadores de Ovinos da Região de Estremoz, com o apoio de diversas entidades.

http://www.cm-estremoz.pt/evento/fiape

Onde se hospedar

Pousada Castelo de Estremoz

Largo Dom Diniz

Estremoz

http://www.pousadas.pt/pt/hotel/pousada-estremoz

Onde comer

Mercearia Gadanha

Largo Dragões de Olivença, 84-A

Estremoz

Fecha segunda-feira

http://www.merceariagadanha.pt

Vinícola a visitar

Vinhos Monte dos Cabaços

Monte da Azinheira

Arcos – Estremoz

http://www.montedoscabacos.com


Crédito Fotos: AgroValor

(FOTO 1) Estremoz. Entrada principal do Parque de Exposições, onde se realizaram a 31ª Fiape e a 35ª Feira de Artesanato

(FOTO 2) Especialista. José Romão, diretor técnico da Île-de-France, em ação durante o concurso da raça

(FOTO 3) Turismo rural. Izabel e Osler Machado, de Fortaleza, em passeio pela região do Alentejo

(FOTO 4) Assiduidade. Antônio Bitar, empresário brasileiro do Agronegócio, conferindo a Fiape pela terceira vez

(FOTO 5) Aventura. Casal de ourives, Isabel e José Diamantino, atravessaram o país para expor em Estremoz

(FOTO 6) Frio. Maria João, expositora de artesanato, acredita que o clima diminuiu o fluxo de visitantes


Ser Fortalezense

Não é só sobre ter uma certidão de nascimento em cartório.

É sobre acolher forasteiros e fazê-los sentir como se em casa estivessem.

É absorver a cultura interiorana de pais e avós, e construir a sua própria.

É sobre a habilidade de profissionalizar o humor, desafiando adversidades.

É definir o seu próprio sotaque a partir da mistura de vários.

É desejar 365 dias ensolarados por ano, mesmo reconhecendo a necessidade de uma boa chuva.

É sobre saber transformar o martírio de revolucionários em Passeio da esperança para as novas gerações.

É preferir morar junto ao mar, contrariando a ideologia rural do “quanto mais longe do litoral, melhor”.

É sobre evocar o feminismo das heroínas emblemáticas de Rachel de Queiroz.

É agir de forma possessiva, quase infantil, apontando os defeitos sem permitir que estranhos o imitem.

É sobre ter a honra de partilhar com José de Alencar o berço natal, a primeira luz.

É apoderar-se de valiosos equipamentos culturais, de teatros a praças, como se privados fossem.

É sobre alimentar o espírito com a irreverência dos jovens padeiros literários.

É rejeitar o descaso com a tragédia da seca, por atrair a fome, o fanatismo religioso e a reinvenção do cangaço.

É sobre indignar-se com demonstrações de baixa afetividade de migrantes e imigrantes.

É sobre sonhar com igualdade social, do Bom Jardim ao Meireles, porque ninguém sobrevive sem uma utopia.

É tecer loas a outras cidades e manter a sua no topo das maravilhosas.

É sobre celebrar 291 anos com orgulho, confiança e luta.

É respeitar os símbolos da ancestralidade negra e índia.

É reescrever a História com caligrafia holandesa, portuguesa, universal, ou ainda brasileira e mesmo cearense de outras plagas.

É ser, sobretudo, um forte, força, fortificação, Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção.


Parabéns, mãe, e obrigada!

fotoPara minha amada mãe, Clélia Prata, que hoje completa 100 anos de vida

 

A súdita mais leal

A crítica mais cortês

E a mais contestadora

A mais amorosa

A mais cuidadosa

A mais responsável

A mais condescendente

E a mais intolerante

Assim mesmo, passional a gosto

 

Gratidão ao tempo Rei

Que permitiu

Decifrar o não dito

Abrandar impulsos

Sanar dúvidas

Refazer caminhos

Amar como se deve

Sem ressentimentos

Sem cobranças

Sem julgamentos

 

Orgulho sem medida

Dessa mulher, ser humano ímpar

Parabéns pela lucidez centenária

De sofrimentos

E muita felicidade

Obrigada pelos exemplos

Pelos cuidados

Pelo amor

Pelos extremos

Pelos ensinamentos

Por mostrar que a vida

É dádiva

Obrigada por viver tanto!


Eu sou a liberdade, “mas”…

prata-na-crônica

Há muitos significados em “Je suis Charlie”. Para mim, o principal deles chama-se liberdade.

Está na essência humana a necessidade de ser livre. E isso vai muito além de estar do lado de fora das barras de ferro ou muros altos e cercas elétricas de uma penitenciária.

Falo da liberdade para pensar e falar o que bem quiser e agir como lhe der na telha. E assumir as consequências, é claro, sejam quais forem. Mas ninguém falou que era fácil ser livre. E não é mesmo!

Difícil e incompreensível para mim é ver tanta gente que se autodeclara livre, humana e solidária, afirmar que “não apoia o massacre do jornal semanário de Paris, Charlie Hebdo”, que o ato é “injustificável”, blá, blá, blá, masah, obsceno “mas”!“compreende” a atitude dos terroristas, responsabilizando as vítimas pelo próprio assassinato, como se o ato de “desenhar” pudesse…

Ver o post original 304 mais palavras


prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Isabelle Leal

Jornalista que flerta com o mundo da moda desde criança, voltou ao mundo dos blogs para saciar a vontade de escrever sobre os temas que mais gosta de ler e pesquisar sobre. Cresceu assitindo ao programa "Fashion File" com Tim Blanks, assina uma coluna de moda semanal no jornal cearense O Povo há mais de três anos e neste espaço vai dividir um pouco de seus guilty pleasures.

Mariel Fernandes

A vista do meu ponto e outros pontos de vista

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias