“Cidadão de bem”

“Deus me livre do cidadão de bem”. A frase irônica, estampada em um muro qualquer, me fez lembrar de uma personagem do romance O segredo da boneca russa que era considerada “cidadão de bem”, por ser trabalhador, temente a Deus e chefe de família.

Desde jacobinos e girondinos, há pessoas que se autodenominam “de bem”, em oposição às “corruptas” e “canalhas”. O problema com a expressão é a arrogância e discriminação; os maus são sempre “os outros”, especialmente os simpatizantes ou ativistas de movimentos sociais que lutam por inclusão e igualdade dos grupos mais vulneráveis. Desenhando: povos indígenas, negros, imigrantes, mulheres, comunidade lgbtqia+ e tais.

Não há nada mais contraditório do que gente adepta de doutrinas religiosas, cujo princípio básico é a tolerância e o amor ao próximo, querer eliminar os “diferentes”. Onde ficam os valores humanos nessa guerra ideológica? Precisamos todos de um mínimo de paz.

Pra começar, que tal rompermos com esse radicalismo “de bem”? Descermos do pedestal moral, entendermos que somos humanos cheios de falhas e que a superioridade – para quem insiste mantê-la – consiste em reconhecer isso. Um banho de ética, quem sabe?!

É possível ser conservador e ter compaixão pelos que sofrem preconceito sexual ou étnico-racial? É possível ser progressista e ter empatia por quem vive um relacionamento nos moldes tradicionais? Torço muito que sim.

O indivíduo verdadeiramente ético não precisa ser religioso, operário padrão ou pai|mãe de família. Precisa, sim, respeitar os outros, independente de ideologia, e zelar pelo bem-estar coletivo. Parar no semáforo vermelho, usar cinto de segurança e máscara de proteção contra doenças respiratórias contagiosas, para citar apenas o corriqueiro. Não porque o descumprimento de leis implique em duras penalidades, mas porque é o melhor para todos.

A personagem “de bem” a que me referi acima era um respeitável médico e militar; na surdina, abusava de meninas pretas e torturava presos políticos. Depois dessa, só resta unir-me à prece do compositor paraibano Chico César: “Deus me proteja de mim e da maldade de gente boa”. Amém!

*Texto publicado originalmente no blog “Mural da Ana Paula”, onde escrevo mensalmente nos terceiros sábados.

Sobre Celma Prata

Celma Prata é jornalista e escritora fortalezense. Autora de “Confinados” [Sete, 2020], finalista do Prêmio Jabuti 2021 na categoria Conto; do romance "O Segredo da Boneca Russa" [Sete, 2018]; e dos livros de não-ficção "Viver, Simplesmente" [Sete, 2016]; e "Descascando a Grande Maçã" [Sete, 2012]. É membro da Academia Cearense de Letras, da Academia Fortalezense de Letras, da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil e da Sociedade Amigas do Livro, entidade cultural em que presidiu o conselho diretor, de 2016 a 2020. Ver todos os artigos de Celma Prata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Resenha do Dexter

Blog sobre tudo e nada, ou seja, sobre o que eu escrever (E resenhas de Livros)

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

Reverso Literal

Blog, poesia, prosa, contos, escritos, literatura, arte, imaginação, livros

Lugar ArteVistas

#arteondeestiver

Diferentes Tons

Artes, Literatura, Moda

RePensandoBem

Roda de Conversas

Thiago Amazonas de Melo

Não acreditem em nada do que eu digo aqui. Isso não é um diário. Eu minto.

prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias

%d blogueiros gostam disto: