A pequena mais que notável (*)

Diante de uma linda gravura afixada no quadro negro da sala de aula, que mostrava a imagem de uma casinha branca com janelas azuis, a criança de sete anos escreveu algo inesperado. Ao invés de descrever a ilustração, como lhe pedira a freira, seus olhinhos infantis atravessaram as paredes da casinha e se compadeceram com o sofrimento de uma menininha porque no dia seguinte iria ao dentista.

O episódio pode ter sido uma epifania para a futura poetisa cearense Rita de Cássia Araújo, nascida em 15 de janeiro de 1941, primeira dos oito filhos de Neomísia Oliveira Fernandes e Milton Amaral Fernandes, que enfeitou com lacinhos e rendinhas o cotidiano dos avós maternos, até então repleto de netos homens. Pelo lado paterno, foi a responsável pela estreia dos avós no sentimento imortalizado em tocante texto de Rachel de Queiroz (“Netos são como heranças: você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu (…)”, em A arte de ser avó), transformando a vida de toda a família Fernandes.

A criança sensível, que começou a ler aos cinco anos e já demonstrava, aos sete, vocação para as letras, sofreu muito cedo a primeira grande perda: a morte da querida avó paterna. A felicidade da menininha tão amada e aguardada foi novamente sabotada pelo surgimento de grave enfermidade do pai. As duas fatalidades a marcariam indefinidamente.

Da infância em cidade do interior à mudança definitiva para Fortaleza, intercalada por temporadas de férias escolares em São Paulo, foram muitos os percalços até alcançar os dias atuais. Da mística Canindé, no semiárido cearense, onde o flagelo da seca não consegue destruir a fé do povo, Rita de Cássia conserva valores e ensinamentos humanísticos: a espiritualidade e humildade franciscanas. E da maior metrópole brasileira, a poetisa eternizou gratidão em versos de 2004 que homenageiam o pai e sua cidade de adoção, que completava 450 anos:

“(…) Pai humilde e guerreiro,
guardei nossas palavras e sonhos,
hoje mesmo distante sinto o perfume
das flores e dos frutos maduros.
Vontade de estar contigo!
A ti cidade querida, parabéns.
És meu aconchego, meu lado familiar.
Pai e mãe no campo Santo de Congonhas.
Seja bendita, benditos sejam teus filhos
verdadeiros ou de adoção.
Viva! Viva! Viva!” (“A São Paulo e a meu pai, com amor”)

O casamento precoce, aos dezessete anos, com o futuro arquiteto Nearco Araújo, e a chegada dos dois filhos resgataram a alegria de viver e renovaram suas esperanças no mundo. Como na maioria das trajetórias dos casais, a etapa seguinte foi marcada pelo crescimento profissional de ambos e os cuidados com a educação de Helena, economista, e de Nearco Filho, engenheiro, que lhe deram três netos de comprovada sensibilidade artística: Beatriz (Bia), que faz doutorado em Moda e Design, em Londres; Pedro, jornalista, que realiza mestrado em São Paulo; e Joana, professora de dança e nutricionista, que cursa pós-graduação em Fortaleza. A relação com os filhos e netos é baseada na troca natural de afetos e respeito mútuo. São tantas as afinidades que a avó Rita condiciona a realização afetiva e profissional dos netos à coroação da própria existência.

Rita de Cássia sempre esteve ligada à cultura, desde o primeiro emprego, como guia de museu, que lhe aguçou sentidos e aptidões enquanto a preparava para assumir maiores responsabilidades como funcionária da Universidade Federal do Ceará, na área da Tecnologia da Informação, onde atuou com brilhantismo até se aposentar, em 1992. Sua caminhada literária é alimentada igualmente pela fiel devoção a anjos divinos. Todos em casa tinham um santo de proteção, o seu era o Anjo da Guarda, tema central de uma obra apresentada pelo imortal Artur Eduardo Benevides, o aclamado “Príncipe dos Poetas Cearenses”.

A inspiração chega sorrateira, sem aviso prévio ou necessidade de estímulos externos, surpreendendo a criança atrás do guarda-roupa, sentada em um banquinho, para escapar da implicância das irmãs com sua mania de escrever. Ou apanhando de surpresa a jovem mãe no anonimato do estacionamento da escola dos filhos, registrando emoções no papel, enquanto aguardava o término da aula. Ela assegura que a poesia é vital à sua sobrevivência em todas as circunstâncias e fases.

Reconhece, com certo pesar, que publicou tardiamente o primeiro livro (Cores, em 1984), que considera a maior conquista profissional. A partir daí, felizmente, não parou mais: Essência (1987); Sementes (1990); Unguentos (1994); Cartas e Poemas ao Anjo da Guarda (1997); Mulher e Terra (2000); Manga Madura (2004); Por Detrás das Gavetas (2008); Cajueiro Florido (2012); e, o mais recente, Palavras (2016), em comemoração aos seus 75 anos de vida e aos oitenta do marido.

Elege a formatura dos herdeiros como o principal marco na sua maturidade, satisfação comparável apenas à concretização da tão sonhada viagem à China, em companhia do marido. A explicação para tamanha admiração pelo país asiático encontra-se na capacidade imaginativa da criança que um dia se tornaria respeitada poetisa. Desde a mais tenra idade, quando ouvia alguém proferir a velha expressão “Vá pra China!” a uma pessoa de comportamento indesejável, a menina educada no rigor cristão associava o tal lugar ao inferno, destino das almas penadas. Foi graças aos esclarecimentos de uma amiga da família, Alba Veloso, professora de Geografia, que a pequena Rita pôde desconstruir a imagem diabólica e passar a cultuar o país de tradição milenar. A aposentadoria lhe trouxe, finalmente, as condições financeiras necessárias para realizar o sonho antigo.

Na posição de grande admiradora da filosofia oriental chinesa, Rita de Cássia experimentou momentos de profundo enlevo, como na visita ao mausoléu do imperador Qin Shihuang (260-210 a.C.) – monumento equiparável em importância às Pirâmides de Gizé (Egito) e ao Taj Mahal (Índia) –, na cidade de Xi’an, a 1.200 quilômetros de Pequim. Acreditava-se à época que, ao deixar a vida terrena, podia-se levar para o plano posterior tudo o que se julgasse de enorme valia. Para o monarca, a preciosidade maior era seu exército. Ele mandou construir, portanto, uma tumba gigantesca com milhares de soldados moldados em terracota, em tamanho real, cada um com uma fisionomia única e vestidos de maneira distinta. O tesouro foi descoberto, casualmente, em março de 1974, cerca de 2.200 anos depois de construído, e ficou conhecido popularmente como Guerreiros de Xi’an.

Em vez das figuras demoníacas do imaginário infantil, a mulher madura vivenciou na China as mais sublimes sensações. Emocionou-se às lágrimas ao pisar a Praça da Paz Celestial, no centro político de Pequim, palco do massacre do governo para conter a maior manifestação popular contra o Partido Comunista Chinês (PCC), entre abril e junho de 1989, liderada por jovens universitários que reivindicavam liberdade de imprensa e de expressão, e protestavam contra a repressão aos direitos individuais e das precárias condições sociais.

A criadora de belos poemas contemporâneos, que nutre profunda admiração pela obra de Mário Quintana, Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, autores de diferentes escolas e procedências, guarda com carinho e orgulho a carta manuscrita do amigo Drummond, confirmando-a poetisa. Como ainda duvidar do seu talento? A modéstia, contudo, a impediu por muito tempo de revelar o “veredito” do poeta mineiro, com quem manteve regular correspondência que ela finalizava sempre com “Um caloroso abraço”. Leitora contumaz, planeja para breve devorar a vasta produção do saudoso poeta mato-grossense Manuel de Barros, cuja simplicidade era comparada às virtudes atribuídas a São Francisco, santo de referência de Rita de Cássia.

Como ativista cultural, ela participa de várias entidades literárias, a exemplo da Sociedade Amigas do Livro (SAL), da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil (AJEB), da União Brasileira de Escritores (UBE), da Academia Fortalezense de Letras (AFL) e da Rede de Escritoras Brasileiras (REBRA).

A poetisa retribui a generosidade da vida com cidadania e altruísmo. Nas típicas manhãs nordestinas, com brisas que tentam, em vão, abrandar o calor que transpassa as grossas paredes históricas do Palácio da Luz, no centro de Fortaleza, ela pisa respeitosamente a ampla passarela de parquet e, observada por olhos imortais, dirige-se à sala da biblioteca onde, entre pilhas de livros e revistas, é auxiliada por um pequeno e motivado grupo.

É nesse solene ambiente cultural que Rita de Cássia cumpre a bela tarefa voluntária de formação de bibliotecas para comunidades sem acesso aos livros, principal missão da Sociedade Amigas do Livro, uma das quatorze entidades literárias cearenses abrigadas no palacete edificado por volta de 1781, atual sede da Academia Cearense de Letras, a mais antiga instituição do gênero no país, fundada em 15 de agosto de 1894. No currículo da equipe liderada por Rita, já constam 65 bibliotecas instaladas na capital e municípios do interior do estado.

Quando não está transformando pensamentos e devoções em poesias ou organizando e restaurando livros doados, Rita de Cássia se diverte crochetando lindas peças, arte que aprendeu na infância com a vovó Bela (Isabel Amaral Fernandes), mãe de seu pai, sucedida pela irmã Honorina na formação moral e educacional da neta. A tia Teté, como os filhos da poetisa a chamavam, morou com a família da sobrinha-neta até falecer e foi sua maior referência afetiva. É esse amor ao próximo que ela procura praticar, inspirada em seres de espírito elevado, voltando-se principalmente àquelas pessoas que carecem de pequenos gestos amigos, como um simples e fraterno abraço. No outro extremo da condição humana, a poetisa lamenta a disseminação das guerras e a ambição desmedida, equiparando-as às piores maldades e causas dos maiores infortúnios da humanidade.

A autodeclarada ausência de vaidade, representada pelos cabelos curtinhos e naturais, sem qualquer coloração química, é contestada por um único excesso: anéis. Um monte deles. O estilo rendeu-lhe o apelido carinhoso de “Maria Bonita”, dado por uma das netas. A designação a faz sorrir, enquanto gesticula mãos adornadas de belos aros que ganha todos os anos do marido, seu companheiro nessas quase seis décadas.

Entre as situações que a deixam feliz e risonha, estão as mais singelas, como quando reúne os netos ou entrega uma biblioteca da SAL. Tristeza mesmo ela sente ao tomar conhecimento de alguém doente, sem condições financeiras para custear o tratamento. A serenidade que a distingue, todavia, é colocada à prova perante o caos doméstico, embora se esforce para ser tolerante com os auxiliares do lar. A única frustração pessoal é não ter tido a oportunidade de concluir o curso superior, devido à jornada dupla de trabalho para ajudar nas despesas familiares, ainda que se considere vencedora com a formação no curso normal, antigo magistério.

Na fila de autógrafos do seu primeiro livro de poesias estava a mestra que, naquele longínquo dia, quando a menina Rita de Cássia se viu refletida no interior da casinha branca de portas azuis, vaticinou que ela seria escritora. Comovida com o reencontro surpreendente, não pôde evitar a lembrança traumática da extração do seu dentinho de leite, com o sangue jorrando sobre o vestidinho cor de rosa, cheio de bolinhas.

Admite com certa tristeza a resistente aversão a procedimentos odontológicos. À naturalidade com que expõe um traço vulnerável, ela acrescenta outras características marcantes: alegre e pequena. A estatura atrai diminutivos carinhosos. Engana-se, porém, quem associa altura a vigor. Na essência, Ritinha é grandiosa como as suas mensagens poéticas, fértil como as sementes que germinam na natureza, doce como a manga madura, frondosa como o cajueiro florido, misteriosa como o conteúdo de gavetas secretas, e eternamente saudosa da sua sofrida Canindé:

“(…) Procuro no final da tarde
​​​antes da lua clarear
o céu azulado da minha terra.
Nada encontro
Além da terra seca,
quase sem vida. (…)” (“No baú…”, em “Palavras”, 2016)

A menina alfabetizada em casa, aos cinco anos de idade, pelas tias professoras, era o orgulho do pai, que não perdia a oportunidade de exibir aos amigos os dotes da pequena leitora que, mesmo a contragosto, lia em voz alta o jornal O Santuário de São Francisco das Chagas, para deleite geral. A mulher que desde criança tem um anjo para chamar de “seu” dedica imensurável amor à família, valoriza as origens e confia na proteção divina. Com um olho no trançado do crochê e outro na tevê, alternando com a leitura de um bom livro, ela segue gestando emoções. Tendo a inspiração permanentemente à espreita, a qualquer momento pode surgir um novo livro de poemas. Cuidadosa no falar, entrega-se sem parcimônia a instantes reflexivos para se autodefinir doida e meia, em meio a um sorriso maroto. Sim, a vida para a poetisa que persegue os sonhos com a paciência dos obstinados pode ser encarada também de forma divertida. Aos comuns mortais, resta-nos aplaudir sua abençoada “loucura”.

••••••••
*Publicado originalmente na revista Policromias, da AJEB.

Sobre Celma Prata

Celma Prata é jornalista profissional e escritora. Autora dos livros "Descascando a Grande Maçã" [Sete_2012] e "Viver, Simplesmente" [Sete, 2016]. Atualmente integra o Conselho Editorial do Jornal AgroValor. É membro efetivo da Academia Fortalezense de Letras, da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil e da Sociedade Amigas do Livro, onde lidera o conselho gestor para o biênio 2016-2018. Ver todos os artigos de Celma Prata

16 respostas para “A pequena mais que notável (*)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Isabelle Leal

Jornalista que flerta com o mundo da moda desde criança, voltou ao mundo dos blogs para saciar a vontade de escrever sobre os temas que mais gosta de ler e pesquisar sobre. Cresceu assitindo ao programa "Fashion File" com Tim Blanks, assina uma coluna de moda semanal no jornal cearense O Povo há mais de três anos e neste espaço vai dividir um pouco de seus guilty pleasures.

Mariel Fernandes

A vista do meu ponto e outros pontos de vista

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias

%d blogueiros gostam disto: