A mais transformadora das paixões

capa-revista-sal_2016_2018-2

“Livros não mudam o mundo,

quem muda o mundo são as pessoas.

Os livros só mudam as pessoas.”

 

Atribui-se ao poeta Mário Quintana a citação acima. Autoral ou anônima, é indiscutível que ela nos leva a refletir sobre o poder transformador da leitura, além de sugerir que vivemos – nós e os livros – em incessante processo evolutivo.

 

Estudiosos acreditam que estamos testemunhando e protagonizando uma das maiores revoluções desde a invenção da escrita em papel. Referimo-nos àquelas advindas das tecnologias digitais e eletrônicas. Um momento de inúmeras interrogações acerca do tipo de leitura que o futuro próximo nos reserva.

 

Um dos autores contemporâneos que melhor fundamenta a evolução dos suportes de leitura e sua influência sobre a nossa maneira de compreender um texto, um livro – e, por consequência, o mundo à nossa volta –, é o escritor argentino Alberto Manguel. Em sua obra mais conhecida, Uma História da Leitura (1997), ele defende que o embate entre o livro impresso e o digital repete um fenômeno já ocorrido no passado, quando da passagem da transmissão oral para o texto escrito.

 

Na entrevista que abre a quinta edição da Revista SAL, as associadas Cybele Pontes e Emelvira Sá demonstram estar atentas a tais mudanças e aproveitam para expor, dentre outras questões importantes, suas ideias quanto à citada transição em curso.

 

Para expressar a metamorfose operada em nossa mente a partir do hábito da leitura, a talentosa ilustradora Rebeca Melo inspirou-se na borboleta – considerada o símbolo da transformação – para criar a capa e as imagens do miolo desta edição. Após um longo processo evolutivo, a lagarta rompe o casulo, libera as asas e se transforma em uma bela borboleta, uma alusão ao poder transformador da leitura para a construção de uma visão crítica que nos eleva à condição de condutores da nossa própria história.

 

Sentimo-nos honradas em contar com a participação de escritores convidados que prestigiam permanentemente a SAL, como Fernanda Quinderé e Lúcio Alcântara (poesia), Olga Sawary (conto), Socorro Acioli (crônica), além do saudoso poeta Antero Coelho Neto, uma das maiores perdas afetivas e literárias de 2016.

 

Das queridas companheiras da SAL, a arte de Côca Torquato e Terry Araújo nos convida à reflexão e nos presenteia com o belo; Os artigos de Bernadete Bezerra e Vera Moraes transmitem a sensibilidade aguçada das duas intelectuais; Os contos de Lourdinha Leite Barbosa e Thereza Leite preenchem o nosso imaginário; As crônicas de Ana Maria Jereissati, Celma Prata, Constança Távora, Cybele Pontes e Margarida Magalhães nos aproximam de experiências únicas protagonizadas pelas autoras; O discurso de Suzana Ribeiro indica o sentimento respeitoso da grande dama da SAL para com a academia literária mais antiga do Brasil; Os ensaios de Angela Gutiérrez e Regina Fiúza confirmam sua riqueza acadêmica; A poesia de Beatriz Alcântara, Dina Avesque, Emelvira Sá, Giselda Medeiros, Neide Azevedo, Révia Herculano e Rita Araújo alimenta o nosso espírito e transborda em pura emoção. A nossa inesquecível Aíla Pereira, que partiu em 2015, se faz presente através de tocante homenagem in memoriam.

 

Todas essas pessoas carregam em comum a paixão pelos livros – independentemente do formato em que se apresentem –, atitude que as transforma e, por conseguinte, transforma o mundo, como profere a frase inicial creditada ao “poeta das coisas simples”, assim chamado por sua imensa habilidade em abordar a complexidade de forma singela.

 

Neste ano em que a SAL completa 55 anos de ininterrupta atuação na formação de bibliotecas para as comunidades sem acesso a livros – sua principal missão –, recorremos novamente a Manguel, quando reconhece a importância da leitura para o desenvolvimento de um povo: “Uma sociedade pode existir – existem muitas, de fato – sem escrever, mas nenhuma sociedade pode existir sem ler”.

 

Conservemos, pois, nossas bibliotecas reais e afetivas, pois são elas que determinam a nossa identidade e cidadania, além de promoverem a nossa contínua evolução. E que as borboletas do conhecimento continuem com seu revoluteio a fecundar mentes e corações.

***

Editorial da Revista SAL (Sociedade Amigas do Livro)_biênio 2016-2018, editada por Celma Prata, dezembro/2016

Ilustração de capa por Rebeca Melo

Sobre Celma Prata

Celma Prata é jornalista profissional e escritora. Autora dos livros "Descascando a Grande Maçã" [Sete_2012] e "Viver, Simplesmente" [Sete, 2016]. Atualmente integra o Conselho Editorial do Jornal AgroValor. É membro efetivo da Academia Fortalezense de Letras, da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil e da Sociedade Amigas do Livro, onde lidera o conselho gestor para o biênio 2016-2018. Ver todos os artigos de Celma Prata

2 respostas para “A mais transformadora das paixões

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Isabelle Leal

Jornalista que flerta com o mundo da moda desde criança, voltou ao mundo dos blogs para saciar a vontade de escrever sobre os temas que mais gosta de ler e pesquisar sobre. Cresceu assitindo ao programa "Fashion File" com Tim Blanks, assina uma coluna de moda semanal no jornal cearense O Povo há mais de três anos e neste espaço vai dividir um pouco de seus guilty pleasures.

Mariel Fernandes

A vista do meu ponto e outros pontos de vista

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias

%d blogueiros gostam disto: