Rua da Escadinha, número 162

casal com o louro

Que tal um dedo de prosa?

Já faz um tempinho que tive o enorme prazer de conhecer pessoalmente alguém que sabe só TU-DO sobre música e filmes antigos, carnaval e outras cositas mas que abrandam a nossa sede e fome de cultura.

Estou falando de Christiano Câmara, um apaixonado pela vida e pela onipresente Douvina, sua incrível companheira durante as últimas seis décadas. Os dois vivem arrodeados por um acervo que inclui, dentre outras raridades, alguns milhares de discos de cera e vinis, os ‘bolachões’, em um lugar repleto de história, encanto e amor.

Se me pedissem para definir o Christiano em uma só palavra, eu diria ‘jovial’. Sabe aquele espírito irrequieto e aberto dos jovens? Para honrar o ditado das exceções, contudo, evitem tentar convencê-lo a usar essas geringonças pós-modernas, como “a tal da infernet” e telefonia celular.

Ele e Douvina recebem amigos e desconhecidos, no melhor estilo ‘pode chegar!’, sem formalidades, sem agendar dia nem hora, em sua acolhedora – e sempre aberta após as 14 horas – casa, que fica ali por trás da Catedral Metropolitana de Fortaleza.

sala 1

As paredes da sala e quartos são forradas por centenas de fotos, pôsteres e quadros. Quando você pensa que não há mais espaço para afixar um minúsculo selo, eis que surgem cozinha, corredores e banheiros dispostos a acolher o recorte do jornal que publicou a última entrevista com ele, a frase de alguém famoso que ele decidiu perpetuar ou a declaração de amor eterno que escreveu para Douvina quando completaram 47 anos de casados: “Que importa que a morte (física) possa vir, se nós já tornamos imortal o nosso amor?…”.

carta

Nosso incansável colecionador dedica as madrugadas, quando a maioria dos mortais dorme, para regravar fitas de filmes antigos, que depois assiste com Douvina: “Tem coisa melhor do que cinema no conforto do nosso canto?”, ela comprova com seu eterno sorriso e bom humor, saindo apressada para passar o batom quando me vê tirando a câmera da bolsa.

Em uma das salas, vejo fotos de família. Vou correndo os olhos pelos rostos sorridentes, enquanto Douvina debulha os nomes das filhas e netos. “Esta não é a Sarinha?”, me adianto. Ela responde, entre orgulhosa e surpresa, com outra pergunta: “Você conhece a minha neta?”. Coincidências… A essa altura, já me sinto parte da família. O casal é exatamente assim, faz qualquer um se sentir como se de casa fosse.

árvore

Voltando do enorme quintal com uma impressionante árvore centenária, tomo o caminho da porta de saída, parando ainda várias vezes diante do acervo de Christiano. “Está vendo esta marquesa?”, pergunta Douvina, apontando para a bela poltrona antiga de madeira, com assento de palhinha natural. Uma das filhas resgatou a peça de um lugar que desprezou seu inestimável valor e deu-a de presente aos pais. Hoje, restaurada, transforma o estreito hall de entrada em grandioso espaço de saudação aos visitantes.

marquesa

Avesso a badalações, Christiano não se anima quando o convido a participar de um evento cultural. Prefere ficar em seu museu particular, escrevendo a história e repassando-a a quem aparecer na casa da antiga Rua da Escadinha, atual Travessa Baturité.

Parto com a promessa de retornar com mais calma, para beber o famoso cafezinho da Douvina e ouvir as interessantes histórias do casal, ao som da palração do ‘louro’ de estimação.

P.S. Para os mais jovens e menos informados, vai a preciosa dica: foi o Christiano Câmara quem idealizou a maior manifestação cultural momina da cidade, o Carnaval da Saudade, baile que acontece há 45 anos no Clube Náutico, em Fortaleza, no sábado ‘magro’.

Serviço
Museu particular do Christiano Câmara
Travessa Baturité, 162
Centro
Fortaleza (CE)
Aberto à visitação de segunda a sexta, sempre após as 14h

Imagens da autora

Sobre Celma Prata

Celma Prata é jornalista profissional e escritora. Autora dos livros "Descascando a Grande Maçã" [Sete_2012] e "Viver, Simplesmente" [Sete, 2016]. Atualmente integra o Conselho Editorial do Jornal AgroValor. É membro efetivo da Academia Fortalezense de Letras, da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil e da Sociedade Amigas do Livro, onde lidera o conselho gestor para o biênio 2016-2018. Ver todos os artigos de Celma Prata

12 respostas para “Rua da Escadinha, número 162

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Isabelle Leal

Jornalista que flerta com o mundo da moda desde criança, voltou ao mundo dos blogs para saciar a vontade de escrever sobre os temas que mais gosta de ler e pesquisar sobre. Cresceu assitindo ao programa "Fashion File" com Tim Blanks, assina uma coluna de moda semanal no jornal cearense O Povo há mais de três anos e neste espaço vai dividir um pouco de seus guilty pleasures.

Mariel Fernandes

A vista do meu ponto e outros pontos de vista

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias

%d blogueiros gostam disto: