“Meu gato morreu!”

A humanidade nunca mais ficará diante dos originais de obras valiosíssimas, como ‘Samba’, de Di Cavalcante, ou ‘A Floresta’, de Guignard.

Não ficou chocado? Pois eu fiquei, e muito! Mas o que me fez escrever neste espaço foi a declaração emocionada do colecionador de artes e marchand romeno, Jean Boghici, 84, diante da destruição de parte do seu rico acervo, causada por um incêndio em sua morada carioca, há dois dias. A tragédia foi tamanha que, até agora, já pautou duas edições da maior audiência em telejornalismo do país.

“Não quero saber de quadro, meu gato morreu!”, ele falou, com seu sotaque carregado, para o Brasil no dia seguinte.

O que faz alguém lamentar mais a perda de um bichano, cujos clones se encontram aos montes por aí, do que de obras únicas avaliadas em milhões de reais e até comparadas à ‘Monalisa’, de Da Vinci?

É muito desprendimento, minha gente! Há anos procuro exercitar o desapego às coisas materiais, mas o top bordado que usei na minha festa de aniversário de dez anos atrás – e que nunca mais usarei, simplesmente porque não atende às minhas novas medidas -, continua ocupando espaço no meu closet, resistindo a cada faxina fashion.

E agora me vem esse homem que valoriza mais a doce companhia do seu pobre gato do que o óleo milionário do artista … Essa eu não aguento. Que lição, hein, Boghici?

Eu não deveria, no entanto, me surpreender com nada disso. Para um sobrevivente de guerra, jovem imigrante ilegal que fez do Brasil sua nova pátria, a amizade – mesmo a de um bichano – vale mais que todo o ouro do mundo junto.

Sim, já empacotei o top, amanhã ele segue viagem…

Sobre Celma Prata

Celma Prata é jornalista profissional e escritora. Autora dos livros "Descascando a Grande Maçã" [Sete_2012] e "Viver, Simplesmente" [Sete, 2016]. Atualmente integra o Conselho Editorial do Jornal AgroValor. É membro efetivo da Academia Fortalezense de Letras, da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil e da Sociedade Amigas do Livro, onde lidera o conselho gestor para o biênio 2016-2018. Ver todos os artigos de Celma Prata

6 respostas para ““Meu gato morreu!”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

prata-na-crônica

Crônicas, Jornalismo e outras Narrativas

Livros e Leitura

Universo mágico da leitura

Mariel Fernandes

As vistas do meu ponto

Riksaint Space

Um espaço dedicado às energias renováveis.

Estalos da Vida

As vezes a felicidade começa em um estalo!

Sobre os dias

sensações, vinhos e faltas.

Vila das Noivas

por Ingrid Martins e Aline Farias

%d blogueiros gostam disto: